24 setembro, 2006

O vento gelado que sopra como se estivesse mesmo é dando uma bronca na gente já não corta o meu rosto, talvez porque alguma coisa (quem sabe a tristeza?) está prestes a irromper... E é só por alguns minutos que a vida encosta ali no muro e insiste em ficar tão nula, mas eu acho que é por causa da alma, quer dizer, pra ouvi-la chorar. Porque o vento agora, é o de menos.