18 janeiro, 2014

estamos chegando!


poema meu que integra a antologia-livro-festa "É que os Hussardos chegam hoje" (Editora Patuá) – lançamento dia 24 de janeiro em SP.

clica aqui pra saber mais.

e perde não!

10 janeiro, 2014

toda vez que as flores não voltam
suas cabeças para dentro do cômodo
em busca de luz, pego meus sapatos e compreendo

por quantas camadas de cimento ainda se pode ver a coragem?
quão longe vai o balanço da árvore mais alta até que a primeira folha a observe com cansaço?

perscruto a terra no que toca meu corpo
e não sem esforço diviso algum rosto
na parte de trás dos ciprestes que em meses férteis plantei


é dura a escrita quando lhe quebram as mãos.


se por muito tempo for janeiro,
vou apoiar as costas nas costas da calma
e construir uma poesia de paciência

sem que haja tempo para o incômodo
com as marcas que o jeans causa na minha virilha
nesses dias tão quentes

01 janeiro, 2014

não sei se acredito nas coisas tão grandes
de que é feito o grão de areia

mesmo se o silêncio for matéria tão fina
a escorrer por dedos desejosos de outros tantos

pinçar entre dedos o cílio do acaso
pra pedir sorte à maré do meu coração

há cerca de quatorze cores que recaem
sob o corpo de mulheres desavisadas

há um dia que não se acaba
apenas porque molhou-se o relógio

há névoa tudo o mais as chateações
os relances escrever poemas esquecê-los nos sonhos

a distância da casa; um sol que nos castiga
e o resto sempre névoa, é névoa e leva